O eu, o outro e o nós

Objetivos Pedagógicos

  • Refletir em conjunto sobre relação com os outros;
  • Reconhecer comportamentos de violência psicológica/bullying;
  • Saber aceitar-se a si mesmo;
  • Saber colocar-se no lugar do outro – trabalhar a empatia;
  • Respeitar o outro.

passo a passo

introdução

15m

Leitura animada do conto “Orelhas de Borboleta” à turma;

Promoção da reflexão da estória e colocar questões como:

  • Sobre o que fala esta estória?;
  • Os colegas da Mara falavam sobre o quê? Gozavam? (Se sim, com o quê?);
  • Porque acham que eles gozavam?;
  • O que acham que a Mara sentia?;
  • Como é que a Mara reagiu?;
  • O que significou o que ela disse no final?.

desenvolvimento

20m

Dividir a turma em pares ou trios. Cada grupo fica com uma página do livro (que tem um defeito da personagem principal), que contém um espaço em branco.

Os elementos do grupo devem:

  1. Pensar sobre este defeito;
  2. Transformar o defeito numa qualidade;
  3. Escrever a qualidade no espaço em branco.

Quando tiverem terminado, serão recolhidas todas as “novas histórias” e serão lidas à
turma.

conclusão

10m
  • Fazer a ligação com os comportamentos que habitualmente ocorrem entre colegas – humilhação, gozo – e o impacto que estes têm naqueles que são alvo;
  • Reforçar a importância de encontrar outra forma de ver os defeitos; aprender a valorizar as suas próprias caraterísticas e respeitar-se a si próprio, assim como respeitar o outro.
1º Ciclo
45min
Atividade testada na edição de 2017

Resumo

Através da leitura de uma história, é feita uma reflexão que promove a importância de nos colocarmos na pele do outro, de modo a saberemos respeitar as características que nos diferenciam.

Recursos

  • Livro “Orelhas de Borboleta” Luísa Aguilar. Edição: Kalandraka, abril de 2011: Link
  • Quadro
  • Folha da Atividade (em nº suficiente para os pares ou trios): Link
  • Canetas/Lápis

Critérios de Avaliação

  • Escutam-se uns aos outros atentamente
  • Reconhecer comportamentos de violência psicológica/bullying;
  • Demonstram compreensão e empatia
  • Conseguem identificar aspetos positivos dos defeitos apresentados, e assim transformá-los em qualidades
  • Reconhecem a necessidade de ser gentil e de tentar compreender as nossas diferenças e as dos outros
  • Demonstram compreensão das suas próprias características menos acarinhadas

Saber Mais

  • Dicionário do Desenvolvimento: Link

Pasta de Atividades e Recursos:

  • Saúde e Sexualidade:  Link